quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

POLITICA NO BRASIL: É O FIM DO MUNDO - caba sim mundão!!!!!!

 
Nunca no Brasil se falou tão abertamente em CORRUPÇÃO ou na esperança de ver na cadeia os meliantes corruptores e corruptíveis presos de verdade. E as classes mais favorecidas sempre tiveram nesse país a chamada prisão domiciliar, que parafraseando o BORIS: é uma vergonha!!!!!!!!
Nesses 10 anos de governo petista o país teve um desenvolvimento espetacular na área social e economica, mas, politicamente nunca se desviou tanto dinheiro público. O enriquecimento de alguns politicos da noite pro dia é espetacular.
E isso não mudará tão cedo se não forem feitas leis que coloque o politico safado e ladrão na cadeia. Vimos pela tv os DEPUTADOS idignados com o STF pela aprovação da cassação dos politicos envolvidos no MENSALÃO, eles não aceitam a inteferência de outros PODERES no Legislativo.
ISSO É UMA PIADA!!!!!
Parabéns aos Ministros do STJ pela coragem de fazer o que a maioria dos DEPUTADOS no Congresso não tem!!!!!!     Poucas vezes, se é que alguma vez nos quase 123 anos de história da República, o Supremo Tribunal Federal esteve tão no centro das atenções nacionais como nesse período em que, a partir do dia 2 passado, começou a julgar o processo do mensalão.
 
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Ayres Britto, acompanhou integralmente o voto do ministro-relator, Joaquim Barbosa, no julgamento da Ação Penal 470, conhecido como processo mensalão. Com a sustentação de Ayres Britto, o plenário concluiu a votação do Item 3 da denúncia, que tratou da acusação de desvio de dinheiro público.
“Eu concluo que as provas confirmam a trama delitiva para um esquema de desvio [de dinheiro] público […]. O MP [Ministério Público Federal] conseguiu desempenhar a contento o seu ônus de provar, em juízo, as imputações feitas aos réus desta ação penal.
 
Durante a votação, o presidente do STJ comparou o esquema de desvio de dinheiro público com o patrimonialismo descrito pelo padre Antônio Vieira no Sermão do Bom Ladrão, citando o trecho: “Esse avanço no patrimônio público e o fazer do patrimônio um prolongamento da casa, da copa, da cozinha”.”Tudo isso é coisa antiga neste Brasil”, complementou Ayres Britto.
Ele também citou a frase do ministro Cezar Peluso que, ontem, ao votar, disse que a condenação tem “gosto amargo”. Ayres Britto concordou e completou: “[condenação] Tem gosto de jiló”.

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

DURA REALIDADE DOS PROFESSORES NO BRASIL

Qual seria o limite dos trabalhadores em educação em nosso país, digo trabalhadores, porque no meu entender o papel de "ensinar" vai além da sala de aula. Todos na escola teriam a função de ensinar, e este ensinar seria para quando sair da escola, ainda sim, lembrar do ambiente escolar.
Na verdade os professores no Brasil  têm de lidar com uma complexa rede de pressão no trabalho, o que culmina em doenças. Ele cita que as famílias, que deveriam fazer o papel de educar suas crianças, cobram isso do professor. Por outro lado, os alunos querem um professor que também seja um animador em sala de aula e, quando se sentem frustrados, passam a agredi-lo.
Estudo realizado em 1989 por M. Calas mostrou que 96% dos Professores entrevistados sofriam de fadiga vocal, 86% tinham lesões (frequentemente nódulos) e 85% usavam técnica vocal falha.
Sala com muitos alunos (como a da foto) exige do professor esforço extra da laringe, podendo causar disfonias.
Dados de 1995 relativos a licenças de saúde para professores, mostram que as doenças do aparelho respiratório se destacam como a maior causa de afastamento: "entre as doenças do aparelho respiratório estão as referentes à laringe e faringe, órgãos estes responsáveis também pela fala, principal instrumento de trabalho do professor".
As pressões no dia a dia se refletem em vários sintomas. Depressão, sensação de esgotamento físico e mental e desânimo são sintomas da chamada SÍNDROME DE BURNOUT que se caracteriza por um desgaste que afeta o interesse e a motivação em trabalhar. Crises de choro, de medo e pânico podem ser sinal de que o profissional sofre ASSEDIO MORAL.
Além disso, os professores também sofrem as consequências das más condições de trabalho. Como já disse no inicio do texto, problemas com a voz, alergias, tendinites, disturbios do sono, distúrbios sexuais, alterações da atenção e da memória, irritabilidade, agressividade, dores na coluna e cabeça e problemas cardíacos.
Levantamento recente divulgado pela Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial de São Paulo) aponta que 17% dos professores da rede estadual não estão exercendo suas atividades por afastamento motivado por problemas de saúde. Entre estes problemas, uma das principais causas dos afastamentos é o estresse.
Cerca de 22,6% dos professores pediram afastamento por licenças-médicas de acordo com a pesquisaIdentidade Expropriada – Retrato do Educador Brasileiro realizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), em 2003. “Isso causa um desfalque no sistema e é um problema difícil de controlar”, explicou a secretária de Finanças do CNTE, Juçara Dutra. Ela ressaltou que cada licença-médica significa, em média, cerca de três meses fora da sala de aula.
 Valdeci Ribeiro é professor em Porto Velho-RO.  
           .
Em relação ao ENSINO  nosso país vai na contra corrente da História:
A verdade é que os países de economias consolidadas investem, em média por aluno/ano, 
algo em torno de US$ 7 mil dólares na educação básica, e são países, que segundo os 
resultados do PISA (Programa Internacional de Avaliação de Desempenho para jovens de 
15 anos, nas disciplinas de português, matemática e ciências) estão muito a frente do Brasil, 
que se encontra em último lugar. A Tabela 5 mostra resultados do PISA para alguns países 
e o investimento médio na educação básica. Países, como Argentina, Chile e México, 
investem mais do que o dobro no ensino médio com relação ao Brasil. Não há mágica, não 
há como melhorar a qualidade sem o investimento adequado.

E quem sempre paga o PATO na maioria das escolas do Brasil pelos resultados não obtidos é o PROFESSOR.



quarta-feira, 21 de novembro de 2012

O FRACASSO DO SAERO: Sistema de Avaliação Educacional de Rondônia

Com a intenção de melhorar o Ensino na Rede Pública do Estado de Rondônia, foi realizada ontem dia 20/11/2012 a prova avaliativa do sistema educacional do nosso Estado. No meu entender um verdadeiro fracasso institucional.
A falta de organização, sala de aulas sem aplicadores para a prova, alunos sem motivação... fizeram desta "prova" uma verdadeira piada no que tange a avaliação dos trabalhadores em educação em Porto Velho.
Uma ferramenta como esta(SAERO) que seria como indicador de qualidade do ensino, faltou qualidade na gestão e organização deste tão "importante" evento.

Assim, como em outras pastas do Governo, parece que nosso Exmo. Sr. Governador não está bem assessorado e as atividades são realizadas na "coxa", serviço de meia boca!!!!!!!!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

AS TRANSFORMAÇÕES NO RIO MADEIRA


























É galera, essa é as margens do nosso querido Rio Madeira em Porto Velho-RO, transformações ocorridas com a construção da Usina de Santo Antonio.

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

I FEIRA DE CONHECIMENTO DO IMA: SUCESSO TOTAL


Foi realizado ontem 31 de Outubro nas dependências do Instituto Maria Auxiliadora, a 1ª Feira de Conhecimento da escola, e o resultado não poderia ser outro: Sucesso Total.
Os alunos do 1º ano do ensino médio trabalharam o tema: INDUSTRIA CULTURAL E A INFLUÊNCIA NORTE AMERICANA NO BRASIL.
O 2º ano ficou com a responsabilidade de retratar sobre OS 100 ANOS DA MADEIRA MAMORÉ, e o TERCEIRÃO da escola ficou com o tema: "FACES DA MORTE".

Meus agradecimentos a todos alunos do Ensino Médio, que durante esse ano compartilharam conosco em nossas visitas ao Complexo da EFMM, na Caminhada pelos trilhos e na produção da Feira do Conhecimento.
E é só esperar que para 2013 tem muito mais: 01 Viagem para o FORTE PRINCIPE DA BEIRA, Caminhada pelos Trilhos da Madeira Mamoré e a aula no Barco Escola, serão as atividades desenvolvidas pelos professores de Ciências Humanas e Suas /Tecnologias.

Amplexos,

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

CANDIDATOS LARANJAS

É triste saber que muitos funcionários públicos saem candidatos, simplesmente para ganhar 3 meses sem trabalhar, porque o número de votos obtidos é uma verdadeira vergonha e mostra que são pessoas sem nenhuma credibilidade junto a comunidade!!!!!!

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

TRABALHO DE HISTÓRIA NO JBC

Em sala com uma turma de segundo ano do ensino médio, onde os mesmos estão apresentando um trabalho sobre a organização do Movimento Operário e o Advento do Socialismo, falando ainda sobre o Movimento feminista e o Anarquismo.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

DIA DO PROFESSOR: COMEMORAR O QUE?

Alguns anos atrás neste mesmo blog , já produzir um texto tratando da insatisfação de "ser" professor neste país. Para muitos "ser" professor é uma coisa que vem da alma e transcede qualquer pensamento alienatório ou até quem diga vem de "berço".
Em muitos países que se destacaram e tomaram a ponta no desenvolvimento industrial e tecnologico a questão da educação é coisa séria. Não é tratada em promessas de palaques eleitoreiros. Em uma pesquisa com alunos de ensino médio na Inglaterra, perguntaram aos jovens alguns anos atrás: QUEM QUER SER PROFESSOR?
O resultado da pesquisa colocou a "profissão" de educador na miséra 95ª posição, entre as profissões desejadas pelos futuros academicos. Isso causou um espanto entre os politicos ingleses, que viam na educação o único caminho para um futuro entre as principais potencias do mundo, com excelentes cientistas e pesquisadores.
Naquele mesmo ano, investiram na figura humana do professor, os sálarios subiram numa escala estrondoza 5 vezes mais, as condições de trabalho melhoraram e o professor ainda ganhou o chamado ano sabatino, isto é, trabalhava 6 anos e folgava no sétimo ano recebendo integralmente seus sálarios.
O que mudou na verdade na última pesquisa foi que hoje a PROFISSÃO PROFESSOR subiu naquele país para a 5ª posição das profissões mais desejadas pelos jovens ingleses. Porque o que as pessoas buscam numa profissão é o chamado "STATUS SOCIAL" e isso só vem com QUALIDADE DE VIDA, e isso só vem com um sálario digno e respeito.
No Brasil o que vemos são promessas e promessas para o tão sofrido professor brasileiro: a entrega de um TABLET no final do ano (esqueceram de falar para os mesmos, o ANO),a entrega de um NOTBOOK para ajudar nos trabalhos dos professores e por aí afora.
O governo passado pra amenizar criou o chamado PISO NACIONAL, piso só serve pra ser PISADO!!!  nada mais, enquanto as profissões mais  bem remuneradas da sociedade criam um TETO, o pobre do professor tem que se conformar com a MERDA desse piso!
O governo de Rondônia agora vem com a promessa de  PAGAR aos professores deste Estado um 14º sálario, mas, isso vai depender da avaliação feita com os alunos da rede pública do nosso querido estado. ´´E pagar pra ver!!!!!!

Enquanto isso, estou a espera de respostas que nos dê condições de comemorar o dia 15 de Outubro: O DIA DO PROFESSOR!!!!

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Qual seria a Doutrina do Obama?

 

Da Doutrina Monroe à Doutrina Bush

Doutrinas norte americanas muito influenciaram na configuração do mundo atual. Desde 1840 até os dias de hoje, uma Doutrina sempre imperou sobre nossas cabeças.
A soberania ideológica estadunidense pode ser vista e comprovada no Brasil a partir da década de 1940, com a proximidade dos governos Vargas e Roosevelt. Hoje, nos vemos reféns do medo dissipado pela "Guerra contra o terrorismo" encabeçada pelo atual governo americano. A seguir seguem as mais pertinentes Doutrinas americanas:

- Destino Manifesto: O sentimento de superioridade racial ,arraigado nos colonizadores europeus das Treze Colônias, aliado à crescente industrialização e busca por terras cultiváveis levaram norte americanos a uma "Marcha para o Oeste", realizando um massacre contra índios nativos.
Posteriormente, já no século XX, a indústria de Hollywood produziu inúmeros filmes retratando a época do expansionismo. Os filmes de faroeste, como são conhecidos, procuram legitimar o assassínio de índios, retratando sempre uma visão maniqueísta, na qual os nativos sempre são os 'bandidos', e os colonizadores os 'mocinhos'.

- Doutrina Monroe: James Monroe, em 1823, posicionou-se contra a tentativa expansionista euroéia na América. Proferiu a famosa frase: "América para os americanos". Conseqüência dessa Doutrina, foi o Corolário Polk. Esse, consistia na anexação de antigas áreas coloniais espanholas ao território norte-americano. O governo se comprometia a apoiar colonos que desejassem anexar territórios. Tais ações permitiram a incorporação do Texas e Novo México aos EUA.

- Política do Big Stick: Theodore Roosevelt, em 1904, elaborou a Política do Big Stick ('Grande Porrete'). Consistiu na cooperação entre países latino-americanos com os EUA, por meio de ações severas. Isso nos mostra a face imperialista estadunidense. Fato marcante da época foi a intervenção do governo americano na construção do Canal do Panamá.

-Doutrina Truman: No contexto da Guerra Fria, o presidente Harry Truman buscava conter o avanço comunista no Ocidente. Descende dessa doutrina o Plano Marshall - ajuda econômica dos EUA destinada à reconstrução dos países europeus no pós 2ª Guerra Mundial. Nessa fase, os EUA se consolidaram como maior potência do mundo capitalista.

- Doutrina Bush: Baseia-se na intervenção explícita contra nações que protejam ou financiem grupos ligados ao terrorismo. Movido pelos atentados de 11 de Setembro de 2001, George W. Bush encabeçou as guerras contra o Afeganistão e Iraque, acreditando que tais países são refúgios de terroristas.

- Outras Doutrinas:

-Doutrina da Boa Vizinhança (Franklin Roosevelt): No âmbito da 2ª Guerra Mundial, o governo americano estreitou relações com países que poderiam ser aliados estratégicos. Além disso, previa a manutenção do imperialismo americano, por meio de ajudas econômicas e militares a países latino-americanos.

- Política da Boa Parceria (Eisenhower) e Política das novas fronteiras (Kennedy): consistiram na manutenção da Política do Big Stick.

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

JIMA 2012

Encerrou hoje dia 06 de setembro os Jogos Internos do Instituto Maria Auxiliadora. Durante a semana alunos do 6º ano ao Terceirão do Ensino Médio se confraternizaram na disputa de vários jogos, e o resultado final foi:
Campeão:   SEGUNDO ANO A
Vice:           PRIMEIRO ANO
3º               NONO ANO

Parabéns a todos alunos-atletas.....

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

GOVERNO DE RONDONIA -n Carros Oficiais atrapalham o trânsito

É um verdadeiro absurdo o que acontece na avenida D. Pedro II no centro de Porto Velho ao lado do palacio do governo. Uma frota de carros importados e uma dúzia de cones atrapalham a trafegabiidade nesta rua.
Seria a demonstração de poder do atual governo ou uma verdadeira imbecibilidade de alguns Chefes de gabinetes ou méia duzia de secretários que poderiam procurar outro local para estacionar suas maravilhosas máquinas.
Cabe a assessoria do atual governo desaforgar pelo menos o transito naquela área que já é tão caótico e fazer fluir as idéias partindo das coisas simples.


Prof. Valdeci Ribeiro, leciona em Porto Velho.

domingo, 2 de setembro de 2012

MINISTÉRIO PÚBLICO DE RONDONIA TEM FUNCIONARIO DESCONTROLADO

A associação Rondoniense de Jornalistas (ARJ) manifesta irrestrita solidariedade ao jornalista Rubens Coutinho, proprietário do jornal eletrônico "Tudo Rondônia", agredido de forma covarde pelo médico Sérgio Paulo de Mendes Filho, ex-diretor do hospital João Paulo II, na madrugada deste sábado.

O jornalista, que já havia sido ameaçado pelo médico em outras ocasiões, por duas vezes solicitou segurança junto as autoridades policiais, por temer ser vítima do descontrole emocional de Sérgio Paulo, que é especialista em artes marciais (Jiu-Jitsu) e é contumaz em praticar agressões físicas.

Na próxima segunda feira, 03, a ARJ irá solicitar providências da Secretaria de Segurança Pública e protocolar pedido, junto ao Ministério Público Estadual, para que a academia de Jiu-Jitsu de propriedade do médico agressor seja fechada e o próprio covarde agressor seja severamente punido. Uma vez que a conduta moral do proprietário, pode corromper os princípios da boa formação esportiva dos alunos.

A ARJ também questiona a prestação de serviços do médico nas unidades de saúde do Estado, levando em consideração que o mesmo já protagonizou cenas de surto psicótico dentro de hospitais em que atuava profissionalmente.

Por fim, a ARJ reitera total apoio ao jornalista Rubens Coutinho e defende o direito de se manifestar livremente qualquer opinião ou ideia, sem que se corra o risco de sofrer repressão, censura ou agressão física.


Adércio Dias Sobrinho

Presidente da ARJ

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

ELEIÇÕES E O PAC

Epoca de campanha política começam a surgir os "pais" das obras abandonada. Vale tudo agora pra retomada das obras públicas nas cidades brasileiras, e a maioria dos prefeitos agoram usam as obras do PAC como sendo de sua gestão. Um verdadeiro caos!
Em Porto Velho por exemplo tantas obras feitas pelo Governo Federal e Compensão das obras das Usinas do Madeira, recebem o título como obra de fulano e sicrano... verdadeira Hipocrisia Politíca!!!!!!!

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

ACOLHIDA DA CRUZ DA JUVENTUDE

Para comemorar a chegada da Cruz da Jornada Mundial da Juventude, que vem acompanhada do Ícone de Nossa Senhora, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) preparou o evento BOTE FÉ, que acontece em todas as Capitais por onde passar a Cruz no Brasil.

A Arquidiocese de Porto Velho prepara-se para acolher a Cruz da Jornada Mundial da Juventude que aqui permanece de 16 a 20 de agosto. Esse período será marcado pela peregrinação da Cruz e do Ícone de Nossa Senhora nos setores da Capital e no município de Ariquemes.


A acolhida da Cruz da JMJ e do Ícone de Nossa Senhora acontecerá às 16horas no dia 16 de agosto próximo, na Praça da Estrada de Ferro Madeira Mamoré - EFMM, após, carreata e celebração de acolhida da Cruz da JMJ e do ícone às 18h em frente da Catedral, celebração presidida pelo arcebispo de Porto Velho, Dom Esmeraldo Barreto de Farias.

A Arquidiocese de Porto Velho realizará no dia 18 de agosto no campo da 17ª Brigada às 17h, a Celebração Eucarística de envio dos símbolos da JMJ e logo em seguida o evento BOTE FÉ. O evento é gratuito e espera receber milhares de pessoas durante as atividades, o Show BOTE FÉ contará com atrações nacionais, Grupo Chamas, Banda Vida Reluz e o DJ Daniel Bassani.


Todas as pastorais e movimentos da Igreja Católica que trabalham com a evangelização da juventude em Porto Velho, estão engajados na preparação e realização do Bote Fé, organizados no Setor Juventude.

A Jornada Mundial da Juventude acontecerá de 23 a 28 de julho de 2013 na cidade do Rio de Janeiro e, desde já, as cidades brasileiras se preparam para o evento internacional. Em sua última edição, a JMJ reuniu mais de 2 milhões de jovens de 185 países, em Madrid, na Espanha, em agosto de 2011. O encontro foi idealizado pelo papa João Paulo II e continua com o sucessor papa Bento XVI.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

A SUCESSÃO NAS CAMARAS MUNICIPAIS: VAI COMEÇAR A SUCESSAGEM!!!!!!

Vai começar a sucessagem para as câmaras municipais em todo o país, são milhares de candidatos que mesmo sem proposta alguma, acreditam na sorte: o voto de protesto, compadrio, irmandade, corporativismo. Apostam na sorte para tentar ajudar ou "contribuir" com a sociedade!
Muitos usam o Slogan do então Deputado Federal Tiririca e apostam no trocadilhos para se eleger: pior do que tá não fica!!!
Assim, é só esperar passar esse período eleitoral pra ver se a população brasileira ainda continua com os velhos vícios eleitorais, votando por amizades ou simplesmente jogando seu voto na lama, por não acreditarem mais nas instituições públicas, principalmentes as POLITICAS!!!!!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

AULA NO IMA SOBRE A FLEXIBILIDADE DAS LEIS TRABALHISTAS

Note-se que mais uma vez o governo almeja espetar a já tão furada CLT. É uma leizinha aqui, uma emendinha ali e quando ver tudo que nossos antecessores e muitos de nós mesmo lutamos para conseguir estará perdido.


Os sindicatos que deveriam ser os responsáveis pela luta em favor dos trabalhadores  hoje é dominada por “homens” do governo.

sexta-feira, 6 de julho de 2012

A NOVA GUERRILHA BRASILEIRA

O Brasil está investindo pesado para acolher a tão famosa COPA DO MUNDO 2014 e as OLIMPÍADAS 2016, enquanto isso as famílias brasileiras estão desamparadas em todas as esferas.
Os políticos brasileiros são verdadeiros comediantes e a píada são os eleitores de norte a sul do país. A violencia não escolhe classe social, saimos de casa com medo do trânsito, dos assaltantes, dos menores infratores, tudo isso porque nossas leis protegem a bandidagem.
Precisamos de leis mais rígidas que coloquem na cadeiatoda especíe de bandidos, inclusive os politicos pilantras e ladrões!!!!!!!!



quarta-feira, 4 de julho de 2012

ELEIÇÕES 2012: começou a caça aos votos

Após as ultimas reuniões dos partidos para escolha dos candidatos a prefeito e vereadores neste ultimo final de semana, foi dado o pontapé inicial na caça aos "pobres eleitores".
Pobres em relação à falta de informação no que tange ao "palco" armado ou poderia até mesmo falar "circo", pois muitos CANDIDATOS são na verdade "candidatos de aluguel". Sua intenção, nem suas condições ele mesmo sabe que não tem chances para galgar um cargo a nível municipal, mas ele está ali com seu nome nas NOMINATAS dos partidos, dando/emprestando seu nome para quem sabe mais tarde negociar ou mendigar um cargo público.
É tanta falta de opções em nossa cidade que até mesmo nomes como o da BAILARINA DA PRAÇA e do PRESIDENTE DA ASSOCIAÇÃO DOS CORNOS foi cogitado para dirigir nossa cidade.
Brincadeiras à parte, mas, talvez essa fosse uma das melhores opções, quem sabe dirigido por um CORNO seria bem melhor de que um CORRUPTO.
Assim é esperar pra ver, temos  Empresários, Médicos, Professores e Politicos Profissionais correndo ao PAÇO MUNICIPAL, que sabe 2012 nos livre desta INFELIZ CIDADE, administrada por partidos de aluguel, que antes se diziam de ESQUERDA e agora no poder compartilham das farras com o dinheiro público.

Prof. Valdeci Ribeiro, leciona em Porto Velho-RO e não é candidato a nada.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

ALÉM DO TRATADO DE TORDESILHAS


ENTRADAS E BANDEIRAS
A partir de 1700, é iniciado no Brasil um processo de alargamento de suas fronteiras com o objetivo de dominar e exterminar os indígenas e as missões dos jesuítas espanhóis, mapeamento do território brasileiro, mineração de ouro e esmeraldas além de outros metais e pedras preciosas, e obtenção de mão-de-obra escrava. As Entradas e Bandeiras surgiram predominantemente em um período em que o Brasil já contava com inúmeros centros populacionais espalhados pelo seu territórios.

Os movimentos originaram-se no nordeste para a região do amazonas e posteriormente para o centro do país. Por outro lado, as Bandeiras partiram de São Vicente, em São Paulo, em direção ao Rio Grande do Sul, além de incursões pela região Centro-Oeste. O movimento das Entradas antecederam às Bandeiras, e ambos possuíram características diversas entre si.

Entradas
Grande parte do território brasileiro era ainda desconhecido: neste período, portanto, as terras ignotas possuíam, para o colonizador, uma aura de mistério que os levava a crer nas grandes riquezas em fontes perenes de metais preciosos ainda não exploradas. Assim nascem as entradas, tendo por objetivos a busca do ouro e o combate e a captura aos "selvagens hostis".

As entradas, portanto, foram os primeiros responsáveis pela dizimação em grande escala das tribos indígenas no Brasil. A ação dos catequizadores, ao passo que se opunha a esta caçada humana, acabava por facilitar o trabalho dos entradistas: a catequização dos índios, que se aglomeravam em aldeias, tornava mais facilitada a própria aniquilação deste povo. Os portugueses ainda aproveitavam as hostilidades entre certas tribos inimigas e jogavam-nas umas contra as outras, tirando grande partido disto. Apesar destes fatos, a luta dos portugueses não se desenvolveu sem perdas: os índios, de grande tradição caçadora e guerreira, opuseram grande resistência ao português. Mas a caçada portuguesa aos indígenas, ainda assim, foi implacável.

Bandeiras
São Paulo foi o grande centro irradiador das Bandeiras. Enquanto as primeiras Entradas possuíam por característica o recrutamento de uma gente aventureira, sem compromissos oficiais, as primeiras Bandeiras foram oficialmente organizadas pelo Governador-geral D. Francisco de Sousa. Possuíram as Bandeiras caráter mais pacífico que guerreiro, embora algumas das bandeiras, com seus sertanistas experientes, foram contratadas para o extermínio de índios ainda rebeldes à colonização e aos negros fugitivos estabelecidos nos quilombos.

Um dos movimentos bandeirantes organizados chegou a percorrer as maiores distâncias de que se tem notícia entre todos os movimentos exploratórios continentais: as jornadas empreendidas por Antônio Raposo Tavares chegaram a somar distâncias percorridas de dez mil quilômetros, abrangendo pioneiristicamente o espaço continental sul-americano. Através das bandeiras, iniciou-se também a exploração do espaço amazônico.

Também a expedição comandada por Fernão Dias Pais foi importante: à procura do ouro, Dias Pais morreu sem vislumbrar seu paraíso de riquezas. Porém, seu filho, Garcia Pais, e seu genro, Manuel de Borba Gato, prosseguiram na busca, fixando-se em Minas Gerais, uma região que atraía muitas outras expedições bandeirantes. Estas que vieram descobriram finalmente as tão almejadas minas auríferas na região das Minas Gerais.

---------------------------------------------------------

ENTRADAS E BANDEIRAS
Expedições de desbravamento no interior do Brasil na época da colônia. Organizadas com maior freqüência no século XVII, seus principais objetivos são o reconhecimento territorial, a captação de mão-de-obra indígena, a submissão ou eliminação de tribos hostis e a procura de metais preciosos.

As entradas têm seu centro principal de propagação no litoral nordestino, saindo da Bahia e de Pernambuco para o interior em missão geralmente oficial de mapeamento do território. Também combatem os grupos indígenas que ameaçam ou impedem o avanço da colonização, como os caetés, os potiguares, os cariris, os aimorés e os tupinambás. A atuação das entradas estende-se do Nordeste à Amazônia e ao Centro-Oeste, abrangendo ainda áreas próximas do Rio de Janeiro.

As bandeiras, em sua maioria, saem de São Vicente e de São Paulo para o Sul, Centro-Oeste e região mineira. São quase sempre expedições organizadas por paulistas e formadas por familiares, agregados, brancos pobres e muitos mamelucos que têm como meta atacar as missões jesuíticas e trazer índios cativos ou ir em busca de minas de ouro e pedras preciosas. Entre as principais bandeiras destacam-se as de Antônio Raposo Tavares, Fernão Dias Pais Leme, Bartolomeu Bueno da Silva e Domingos Jorge Velho.

Expansão territorial
Oficiais ou particulares, as entradas e bandeiras têm importância fundamental para a expansão territorial e o desenvolvimento da economia colonial. São essas expedições que devassam a Amazônia e ali dão início ao extrativismo das "drogas do sertão" (ervas, resinas, condimentos e madeiras nobres). Entram pelo rio São Francisco, abrindo caminho para o gado, chegam às serras mineiras e descobrem ouro e diamante. Os sertanistas também são usados no combate a escravos negros aquilombados e índios que se opõem à colonização branca. É o caso da bandeira de Domingos Jorge Velho, contratada no final do século XVII para destruir o Quilombo dos Palmares e depois liquidar a resistência dos cariris no Nordeste, na chamada Guerra dos Bárbaros, que se estende de 1685 a 1713.

sexta-feira, 22 de junho de 2012

A FENOMENAL EFMM

Olhando a situação dos trabalhadores na construção das usinas hidreletricas do Madeira e Jirau, em relação a alimentação servida aos mesmos, café da manhã, almoço, jantar e ceia, tudo com acompanhamento nutricional, bons alojamentos e transportes para conduzi-los ao local de trabalho fica dificil imaginar a situação dos operários que desafiaram a floresta, indios e animais de todas as especies para a construção da fenomenal EFMM.  A imagem acima nos remete ao ínicio do século XX quando homens de todas as nacionalidades vislumbraram um futuro de sorte, trabalhando em grandes empreeteiras internacionais que os levavam para todos os rincões do mundo.
   
    

segunda-feira, 28 de maio de 2012

RONDONIA NA LAMA


RONDÔNIA NA LAMA

*Fátima  Brito



           O Brasil está atolado na lama fedorenta da corrupção, a cada dia que passa nos dá a sensação que só existem dois caminhos para nosso país: O Brasil acaba com a corrupção ou a corrupção acabará com ele.

 Nos quatros cantos do país, de Brasília ao município mais humilde escondido em meio à floresta amazônica, nossos políticos fazem a festa com o dinheiro público e já não se tem mais lugar pra guardar tanto dinheiro. São caixas de sapatos, meias e cuecas e abertamente em associações e fundações fantasmagóricas e fraudulentas para tirar dinheiro a “rodo” dos cofres governamentais e aumentar a cada dia a desigualdade social.

Li em uma coluna de um jornal eletrônico que o autor dizia ter saudades da ditadura militar, e afirmo a este caro colega  que também tenho saudades! Bons tempos aquele, eu era feliz e não sabia!

Sinto muito pelas mães que perderam seus filhos, sinto também pelos filhos que perderam seus pais por uma grande luta em busca da tão sonhada liberdade e perderam suas vidas nos porões do antigo regime, através de torturas. Pelo menos a Ditadura Militar tinha nome, cara e cor.

Nome: Exercito Brasileiro

Cara: Homens uniformizados

Cor: Verde

Só que a ditadura militar não importunava aqueles que viviam suas vidas e não se envolvidas em política, não matava criancinhas, velhinhos e jovens. Eu mesma nunca fui importunada pelos militares, trabalhava muito, só vivia pra meus filhos e para melhorar nossa situação financeira quando precisava ir ou levar meus filhos ao médico, sempre tinha atendimento nunca voltava desolada.

Isso é para refletir: você acreditava mesmo que vivemos uma democracia¿ não! Hoje a nossa ditadura não tem cara, nem cor e nome. Mas, ela existe! Os porões da tortura são os hospitais públicos também carinhosamente chamados de “corredores da morte”. Seu crime: ficar doente e não ter dinheiro para pagar hospital particular ou não ter plano de saúde! Método de Tortura: ser jogado no chão, não ter médico pra atender, nem ter remédios e ficar por dias a frio nos corredores fétidos dos hospitais imundos e que não respeita ninguém independente de cor ou idade e os soldados são funcionários, mal remunerados, estressados, exaustos e que na hora de reivindicar os seus direitos são espancados.

A ditadura militar acabou só que vivemos uma ditadura sem cara, cor ou nome, mas está ai. Ela não tem porões... Os métodos são mais sofisticados, se você denunciar qualquer falcatrua leva um tiro na cara de um motoqueiro qualquer, a pena é de morte ou sofre um festival de desmoralização pública, tiram todos os adjetivos de qualquer marginal e colocam em você.

Hoje não tem ninguém sendo espancado nos porões da ditadura “sem cara” porque não tem ninguém denunciando, até porque se denunciar os corruptos, os ladrões saem rindo da cara do povo. Há poucos dias vi professores sendo espancados levando tiro de borracha, a policia espancou os mesmos com cassetetes e chutes diante de câmeras de repórteres!  Crime: está reivindicando melhores salários e condições de trabalho, como segurança, para não ser morto por alunos mal intencionados, isso aconteceu no Ceará, mas acontece em qualquer lugar deste país e principalmente com a classe trabalhadora.
Isso é ditadura! Só mudou de mãos. A ditadura militar pelo menos torturava nos porões, nos fundos de uma casa qualquer, não faziam diante dos filhos e netos para que não vissem e os familiares passarem o desespero de ver seus entes queridos serem torturados.

Essa ditadura espanca trabalhadores nas ruas e também quem fere seus interesses. Fui eleita vereadora nesta capital (Porto Velho), e resolvi que faria um trabalho respeitando o fim para o qual fui eleita. De inicio fui convidada a uma reunião com a direção do Partido no qual era filiada e ouvir que teria que ler e rezar na cartilha do então presidente do partido, ainda  tinha que votar favorável em tudo que fosse de interesse do presidente e nos benefícios “pessoais” da prefeitura!

Fui contra, pois era contra meus princípios. Jamais viraria um “fantoche”.

Paguei muito caro por isso, fui pega pela ditadura sem cara, não para os porões, mas para o xadrez  de uma delegacia pois prenderam meu marido, torturaram de todas as formas: com choques nas partes intimas, afogamento, espancamento e asfixia mento e ainda o acusavam de receptação de objetos roubados. Torturaram presos para acusá-lo de ser receptador, ficou quase morto de tanta tortura que ficou um mês internado em um hospital particular para se recuperar, depois mais três meses na penitenciaria com bandidos de alta periculosidade.

O pior de tudo, que ainda fizeram-no acreditar que eu havia mandado fazer tudo aquilo que ele sofreu, para quando saísse da cadeia com muito ódio de mim, me matasse e a vaga na câmara municipal estaria livre e seria assumida pelo suplente e este jamais teria coragem de ir contra, pois teria o exemplo do que acontece com quem fere os interesses.

Hoje meu ex-marido tem ódio mortal de mim, pois acredita mesmo que fui eu que mandei torturá-lo, como muitas pessoas que se lembram do fato também acreditam. Sai da vida pública com fama  de mulher “cruel” que manda torturar o marido.

Isto é a “democracia”!!!

Logo em seguida descobrir um desvio de recursos para obras de infra-estrutura através de convênio com o Governo Federal para 11 obras. Criei CPI e chegamos ao final comprovando todas as irregularidades denunciadas e outras. Mais uma vez sentir o peso dessa ditadura sem nome e sem cor.

E o que sofri de menos foi o Prefeito dizer nos noticiários locais que eu batia na minha mãe, para chocar as pessoas e me desmoralizar publicamente. Depois de fuçar a minha vida e não encontrando nada quer desabonasse minha conduta como parlamentar a bendita CPI foi arquivada e jogada no esquecimento, uma prova de que em nosso Estado a corrupção sempre esteve alicerçada num corporativismo sujo e podre, e o que vemos nas ultimas  semanas é um chute na moralidade. A cassação de Valter Araujo nos deixa com uma sensação de “trouxas” a sociedade esperava mais, queríamos todos cassados e afastados de seus cargos por desrespeito aos bons costumes.

No entanto, parece que nada mudou nos últimos 20 anos em nossa política, desde que denunciei o prefeito daquela gestão até hoje, o dinheiro público que deveria ser investido na melhoria de vida da população rondoniense, mais saúde, mais educação, mais segurança e mais infra-estrutura é dividido por “quadrilhas” que de quatro em quatro anos enganam o povo com promessas e promessas e nada acontece de mudança estrutural em nossa cidade.



* Ex-vereadora em Porto Velho, é ativista em movimentos no combate à corrupção.








sexta-feira, 27 de abril de 2012

RONDONIA: CORRUPÇÃO, CLIENTELISMO E CORPORATIVISMO

“Nas favelas, no senado, sujeira pra todo lado, Ninguém respeita a Constituição, mas todos acreditam no futuro da nação”. Essa canção da Banda Legião Urbana embalou a juventude brasileira no final da década de 80 e de norte a sul do país todos se perguntavam: Que país é esse?
Para muitos talvez a corrupção esteja impregnada na alma ou na cultura do povo brasileiro, não é de estranhar que este mal assola nossa terrinha desde a colonização, isso é fato histórico que desde a instalação da primeira Câmara Municipal, que representava teoricamente os interesses da população local (teoricamente). Contudo, atrelada ao Governo Geral existia apenas como agente cumpridor das ordens governamentais.
Assim também é o clientelismo (pratica eleitoreira de certos políticos que troca favores por votos) e o próprio corporativismo. Nosso país esta afundado num lamaçal fedorento dessas práticas que envergonham a maioria dos brasileiros que ainda “acreditam” num futuro melhor para este país!
O Poder Legislativo que na sua essência seria de legislar em favor do povo, criando leis, fiscalizando os outros poderes perdeu sua função para a Policia Federal que não tem brincado em serviço e com excelentes operações tem descoberto, provado e comprovado o envolvimento de milícias formadas por Juízes, Ministros, Senadores, Governadores, Empresários e Funcionários públicos com uma fatia menor do bolo…
Ninguém jamais se igualou ao ex-governador paulista em escândalos de desvio e lavagem de dinheiro público. Mas isso é só a ponta do Iceberg que é uma ameaça aos cofres públicos deste país que só não afundou perla riqueza produzida pela fortuna excepcional desta nação e pela força de seus trabalhadores, a maioria abaixo da linha da pobreza.
Em Rondônia são inúmeros os casos de corrupção e bandalheira cometidos por aqueles que eram para ser a “voz do povo”, muito antes da formação deste Estado, ainda na Construção das Linhas Telegráficas do Mato Grosso, prestação de contas e relatórios dos gastos com a mesma irritavam o tão célebre e homenageado Marechal Rondon.
Era ainda menino, mas, lembro-me da Campanha politica do então candidato mineiro que tentou a sorte por aqui e investiu pesado para se eleger Deputado Federal por Rondônia, falo de Mucio Athayde (o homem do Chapéu), depois de eleito não recebia se quer um rondoniense, e falava em tom alto, que não devia nada a eleitor nenhum pois tinha pago pelos votos em troca de favores.
Jerônimo Garcia de Santana foi o primeiro governador eleito em 15 de novembro de 1986, tendo sido empossado no dia 15 de março de 1987 e o segundo Oswaldo Pianna, natural de Porto Velho ambos decepcionaram o povo rondoniense pela má administração dos recursos e patrimônio público. Na verdade a classe política rondoniense é uma fonte inesgotável de escândalos, que ganharam destaques nacionais a partir do surgimento da chamada bancada do pó, ainda na década de 80, quando deputados federais foram cassados e por crimes políticos até hoje não desvendados, como o assassinato do Senador Olavo Pires em outubro de 1990. A “nossa” Assembleia Legislativa então é um caldeirão de desmoralização desde a epopeia Donadon, passando por Carlão e fechando com chave de ouro com o então defensor dos evangélicos Valter Araújo que continua foragido.
Em nível de município talvez a coisa não seja tão diferente, pelo menos do que tenho conhecimento ou pelo menos nas denúncias feitas pelo Tribunal de Contas de Rondônia em relação a serviços prestados por uma empresa que fazia a coleta de lixo em Porto Velho, salvo engano esta empresa recebeu pelo menos l.641.917,37 (Um milhão, seiscentos e quarenta e um mil, novecentos e dezessete reais e trinta e sete centavos) por serviço que nunca realizou no ano de 2010.
Outro ex-prefeito também fora denunciado pelo Ministério Público, por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Probidade Administrativa em 2003 e pelo próprio Tribunal de Contas do Estado por contas das verbas destinadas a construção do calçadão beira-rio que ameaçava desapropriar moradores do histórico bairro triangulo.
E cadê os legisladores, fiscalizadores do povo¿
Na Legislatura Municipal entre 1993-1996 pelo menos vimos uma parlamentar preocupada com o destino e aplicação das verbas públicas, utilizando-se assim do verdadeiro papel de um vereador que seria trabalhar em benefício e defesa do povo, mas, como uma andorinha só não faz verão a mesma ficou acuada com perseguições, difamações e outras coisas que denegriam sua imagem pública somente por querer ser talvez a pioneira no combate a corrupção em Porto Velho.
Falo aqui da ex-vereadora Fátima Brito eleita na época pelo Partido Socialista Brasileiro, fez parte da Mesa Diretora daquela Casa de Leis como 1ª secretária e seu único erro talvez foi ter solicitado junto a seus pares o “IMPPEACHMENT” do então Prefeito Municipal de Porto Velho, naquela ocasião o Sr. José Alves Vieira Guedes; ato este que segundo a mesma custaria caro durante toda sua vida parlamentar. Talvez aqui mais um exemplo de corporativismo politico onde as denuncias teriam sido aceitas na época se fossem alvo de investigação da Policia Federal, assim mesmo correríamos o risco de vermos tudo terminar em pizza, como já é de costume nesse país.
Os exemplos de corrupção, clientelismo e corporativismo politico por aqui tem assunto para publicações de várias coletâneas, na verdade talvez o que o povo queiro é mudanças na Legislação Brasileira que puna o politico corrupto, safado e ladrão; Que nossos políticos preocupassem com a vida das pessoas simples e honestas; Que as verbas gastas em obras públicas fossem destinadas na sua plenitude do planejamento até a conclusão do patrimônio, sem desvios, sem atalhos, sem roubos.
Quando tudo isso acontecer, talvez não tenhamos vergonhar de dizer de peito aberto e em alta voz: “SOU DAQUI E EXIJO RESPEITO”
Prof. Valdeci Ribeiro, especialista em Educação.

terça-feira, 24 de abril de 2012

A IMPORTANCIA DA SOCIOLOGIA


POR QUE ESTUDAR SOCIOLOGIA?

*Socilogioa vem por criar o hábito de observar os fatos socias que se desenvolve a seu redor como os que ocorrem no Brasil.
*Reflete sobre o significado de cada fato e relaciona-lo a sua vida e sua familia.
*Perceber conceitos e significações de carater sociologico nos fatos sociais.
*Entender a formação dos conceitos sociologicos pelo conhecimento dos fatos históricos.
*Descobrir que a socilogia é uma ciência viva e presente.
*Tirar conclusões das análises dos fatos para sua vida, seu grupo e escola.
*Comparar fatos e formatar reflexão.
*Propor soluções para problemas de sua vida.
*Criar o hábito de ler revista e jornais.
*Fiscalizar a aplicação de recursos públicos.
 
 
* Foto tirada no Mercado Cultural com a presença do Ilustre amigo Anisio Gorayeb.

sábado, 21 de abril de 2012

MADEIRA MAMORÉ PATRIMONIO DA HUMANIDADE: VOTE NÃO

MADEIRA MAMORÉ: UMA BOA PIADA

Fazer um passeio pelos trilhos da lendaria estrada de ferro madeira mamoré é um desafio para poucos. No sábado dia 21-04 juntamente com um casal de amigos percorrir ou tentei chegar na Igreja de Santo Antônio. O que mais me deixa com cara de trouxa é saber que no dia
16/2, foi criado o Comitê em prol da candidatura da lendária ferrovia a Patrimônio Mundial da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Cultura, Ciência e Educação), também chamado de Patrimônio da Humanidade.

O Brasil já conta com 18 sítios com esse importante título e estar na cara para qualquer um ver, que a nossa lendária Estrada de Ferro não tem as mínimas condições nem para concorrer a nível nacional, quanto mais a nivel mundial.

A EFMM tem valor histórico inestimável que representa não só pelo esforço para construí-la, mas, mormente, por ser ela a motivadora da existência desta região. Entretanto os maus tratos de décadas, falta de respeito com a história e com o patrimônio da união esta visivel para quem tentar se aventurar a caminhar pelos velhos trilhos.

A burocracia dos orgãos responsaveis pela mesma faz com que "projetos" não saiam do papel, falo de coisas simples como limpeza do Cemitério da Candelária, dos trilhos (pelo menos ser usadas pelas escolas em aulas de história regional) entre tantas coisas simples que dar vergonha ver nossa tão famosa estrada concorrendo ou querendo concorrer a PATRIMONIO DA HUMANIDADE

Esses politicos não tem vergonha mesmo...isso é ridiculo!!!!!

A estrada de ferro está completamente jogada no lixo!!!!!!

É mais dinheiro público sendo jogado pelo ralo!!!!!


CIDADÃOS NÃO VOTEM!!!!!!

quinta-feira, 19 de abril de 2012

RONDON: O MARECHAL DA FLORESTA


Rondon, descrito pelo cientista Edgar Roquette-Pinto como “o ideal feito homem”, construiu mais de seis mil quilômetros de linhas telegráficas. Outra importante missão desse militar e engenheiro estava concluída: ele colocava o gigante estado do Mato Grosso no mapa, ligando-o também a Goiás, Rio de Janeiro, São Paulo e região sul, permitindo sua expansão econômica, e mostrava à então pouco amistosa Argentina que o Brasil estava pronto para repelir qualquer tentativa de crescimento, em nossa direção, de sua província de Misiones.


As linhas telegráficas, que os índios bororo e pareci chamavam de “língua de Mariano”, seriam utilizadas por décadas, apesar de, ainda no início do século XX, o cientista italiano Guglielmo Marconi registrar a primeira patente do telégrafo sem fio e fazê-lo funcionar com êxito comercial. Mas Cândido Rondon iria surpreender o mundo com muito mais: ele aplicou em nome do Exército Brasileiro, e da própria nação, uma política humanitária no trato com os índios.

A política de hoje, de todos os países do mundo para suas minorias populacionais, continua baseada naquela que Rondon e seus colaboradores formularam em 1910, no Serviço de Proteção aos Índios (SPI). E a chancela dessa política planetária é da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e da Organização Internacional do Trabalho (OIT).
Descendente de índios bororo, guaná e terena, Cândido Mariano da Silva Rondon nasceu no Mato Grosso, em 5 de maio de 1865.Órfão de pai e mãe ainda criança pequena, foi criado por um tio que o enviou ao Rio de Janeiro para os estudos militares e “ser alguém na vida.” Em 1889, aos 24 anos de idade, Rondon foi nomeado ajudante do então major Antonio Ernesto Gomes Carneiro na Comissão de Linhas Telegráficas Estratégicas, no Mato Grosso. É com esse oficial (“o único chefe que eu tive”) que ele se definiu como uma das mais generosas figuras da Humanidade. O militar narrou para a escritora Ester de Viveiros, sua biógrafa no livro “Rondon conta sua vida”: “Gomes Carneiro se revelou o grande conhecedor do problema indígena, o nobre defensor dos donos das terras que atravessávamos, nossos irmãos das selvas. Proibiu, terminantemente, em cartazes que mandou afixar ao longo da linha telegráfica, que neles se atirasse, ainda que fosse para os assustar: “Quem dora em diante, tentar matar ou afugentar os índios de suas legítimas terras, terá de responder, por esse ato, perante a chefia da Comissão”. Rondon anotaria, mais tarde, em seu diário da selva que entre os anos de 1892 e 93, “fui, desde logo, estabelecendo o lema que nortearia todo o meu trabalho no sertão, em relação a nossos irmãos, os índios: “morrer, se necessário for; matar, nunca.”
Como todo gênio humanista, Rondon era um homem simples, de bom trato, amigo das pessoas, sem qualquer distinção. Na hora da comida, em meio à selva densa, era o último a fazer a refeição: “(...) o chefe fica com as sobras. (...) A comida é, antes de tudo, para o soldado.
(...) Minha maior preocupação era manter alto o ânimo da turma.” Em seu fervor militar e positivista, fazia atos solenes em datas históricas. No dia 7 de setembro mandava hastear a bandeira, tocava o hino nacional num gramofone e soltava fogos de artifício. Os índios se aproximavam, ariscos e curiosos e logo entravam na festa.

Fez, em 1913/14, uma difícil e histórica expedição científica à Amazônia, com o ex-presidente Theodore Roosevelt, dos Estados Unidos. Eles cumpriram um percurso de três mil quilômetros, descobriram e percorreram um rio de 712 quilômetros, o rio da Dúvida, formado pelos rios Castanha e Ariapuanã. Em homenagem ao estadista americano, Rondon batizou o rio com o nome de Roosevelt.A expedição levou, para o Museu de História Natural, de Nova York, uma coleção de 2.500 aves, 500 mamíferos, répteis, batráquios, peixes e insetos, muitos desconhecidos pela ciência.
O primeiro princípio de Rondon, “morrer, se preciso for, matar nunca”, foi formulado no começo deste século quando, devassando os sertões impenetrados de Mato Grosso ia de encontro às tribos mais aguerridas, com palavras e gestos de paz, negando-se a revidar seus ataques, por entender que ele e sua tropa eram os invasores e, como tal, se fariam criminosos se de sua ação resultasse a morte de um índio.”

*Valdeci Ribeiro, especialista em Historia Regional e Rondônia

EDUCASSÃO I CURTURA

Pelo país afora é comum vermos as inúmeras "pracas" que de uma certa forma seria a chamada desmericanização  da nossa tão amada língua!!!
Outras nem tanto, e fica a dúvida na verdade do que seria as idéias:
Essa acima fica na estrada da cachoeira de Teotônio, e que diabos será a informação prestada nesta praca!

segunda-feira, 16 de abril de 2012

RONDONIA: HISTÓRIA DE CICLOS ECONOMICOS

A MINERAÇÃO



A primeira mina de cassiterita descoberta em Rondônia, se localizava no rio Machadinho, no seringal denominado Augustura, de propriedade do Sr. Joaquim Pereira Rocha, no ano de 1955, este achado mudaria a História sócio-econômica de Rondônia.
Em 1956, foi retirado inicialmente 4 toneladas, já em 1968 foi retirado do solo cerca de 10 toneladas, em 1962 retirou-se aproximadamente 678 toneladas do minério, em 1972 foram retiradas 2794 toneladas, e em 1973 no auge da extração do minério chegou-se a tirar até 7300 toneladas, chegando neste período a produção corresponder a 80% do produzido no país; tendo na figura de Flodoaldo Pontes Pinto e Moacir Mota, os maiores empresários envolvidos neste processo.

Para entendermos com mais clareza este fenômeno e suas conseqüências, o território de Rondônia no ano de 1960 tinha apenas 36.936 habitantes, em 1980 essa população já era 10 vezes maior, correspondendo a 503.070 habitantes, a capital do estado, Porto Velho, já contando com pelo menos 20% desse total de habitantes.

Com a abertura da Br 364 e a chegada dos primeiros caminhões, a exploração da cassiterita cresceu de maneira astronômica. O processo de povoamento do estado também foi alterado devido à exploração do minério, ocasionando com isso transformações fundamentais nas vidas das pessoas que aqui residiam, uma vez que a economia do território, até então, era fundamentalmente vegetal, foi permutada para o extrativismo mineral. Inicialmente a garimpagem da cassiterita se dava de forma clandestina e manual, os garimpos eram densamente povoados, e através desta povoação se desenvolveu as primeiras pistas de pouso, e alguma infra-estrutura nestas localidades.

A maior parte da força de trabalho era masculina, o garimpeiro carregava consigo dois amigos inseparáveis: o revólver e o radinho de pilhas. A extração do minério era um grande sacrifício, geralmente a equipe de trabalho era constituída por duas ou três pessoas responsáveis pela escavação. Estas geralmente atingiam profundidade de até 3 metros, o desmonte da referida cata era feito após 2 ou 3 semanas de serviço.

 
O material utilizado para este fim era: picareta, enxadas, pás, enxadecos, facões e bombas para retirar a água de dentro das catas, que por sua vez era dividida em 3 partes:
1- Remoção do morto / compostos orgânicos (restos vegetais)
2- Argila/ areia, material de cor escura (loleia).
3- Cascalho, complemento de areia, pequenas partes de minério e bastante água.

A quebra era a denominação utilizada pelo garimpeiro da retirada do cascalho. Geralmente dava-se início as atividades de trabalho ás 4 horas da manhã, até as 18 horas ininterruptamente.
 
 
PARTE II
 
Em 1956, um engenheiro hindu foi enviado par fazer um levantamento mineralógico em Rondônia. Estava aberta a história do minério de estanho no Território, que se tornou a Província Estanífera do Brasil.
A lavra econômica iniciou-se em 1959, expandindo-se no começo da década de 60. A partir daí, Rondônia passou a viver um período de fartura, com intensa circulação de dinheiro. Já em 1960, houve uma produção de 49 toneladas de minério e em 1962, produziu-se 678 toneladas. Dez anos depois, em 1972, produziu-se 2.794 toneladas de minério, quando o País já havia se tornado auto-suficiente e começou a exportar estanho em lâminas para o exterior. Todo o minério vinha das minerações localizadas nos rios Machado, Machadinho, Jamari e Candeias.
O Governo Federal, em 1970, proibiu a lavra manual na província estanífera de Rondônia, de acordo com a Portaria nº. 195, determinando que a exploração das jazidas fosse mecanizada através de empresas.
O período áureo da garimpagem manual na região situa-se entre os anos de 1968 a 72. nessa época vinham garimpeiros de todo o País, principalmente do Maranhão, Piauí, Ceará, Goiás, Mato Grosso, Pará e Amazonas. Cada homem ou grupo trabalhava nos igarapés onde, ao lavar o cascalho, separavam o barro do minério. A cassiterita era levada nas costas até as cantinas compradoras. De lá era transportada para Porto Velho, e em seguida, ia de avião até o Sul do Brasil.
O ministro das Minas e Energia, Antônio Dias Leite Júnior, estipulou prazo de um ano para que os garimpeiros cessassem totalmente as atividades manuais e semi-mecanizadas de procura ao minério de estanho na chamada província estanífera. A portaria causou sérios problemas de ordem econômico-social no período de adaptação das normas e quando surgia na rodovia 364 nova atividade econômica, a agricultura.
Governava Rondônia, naquela época, o coronel Marques Henrique, militar cumpridor de seu dever que, entretanto, viu-se envolvido numa série de angustiantes problemas conseqüentes da desativação da garimpagem manual. Rondônia tinha pouco mais de cem mil habitantes, destes a grande maioria vivia da indústria extrativa vegetal ou mineral, sendo que, dependendo da época e do momento, aqueles rudes extratores tanto podiam ser garimpeiros quanto seringueiros. Naquele exato momento, da febre do estanho, praticamente haviam se decidido pela garimpagem livre que lhes proporciona alguma esperança de enriquecimento.
Alguns garimpeiros haviam chegado nos últimos momentos da década de 70. Outros, eram morados em Rondônia desde que haviam descoberto os garimpos de diamante nos rios Ji-Paraná, Comemoração de Floriano, Pimenta Bueno e Roosevelt. Na mesma década de 50, em que os garimpeiros de diamante descobriam a cassiterita nas terras do seringalista Joaquim Pereira da Rocha, responsável pela análise do material e, consequentemente pelo início da extração do minério.
Não se pode afirmar com precisão, qual o número exato de aventureiros que procuravam recursos nas lavras de cassiterita. Sabe-se que alguns afirmavam que eram mais de 10 mil homens espalhados nas entranhas da floresta, ao mesmo tempo em que eram vitimados pela febre e explorados pelos “marreteiros”, atravessadores da cachaça. Tudo isso gerava uma inquieta mobilidade em busca do enriquecimento – lícito ou não – que explodia no comércio das cidades do então Território de Rondônia. Os comércios cresciam da noite para o dia, tomava volume e se transformavam em grandes armazéns com crédito no Sul do País.

FOLCLORE POLITICO DE RONDONIA 3

Múcio Athayde (PMDB), eleito pelo estado de Rondônia, ficou muito conhecido por só andar de chapéu. Ele o usava no estilo cowboy, abas levantadas, diferente da moda cangaceira de Mão Branca.

Múcio se elegeu a primeira vez, como deputado federal, pelo PTB de Minas Gerais. O golpe militar de 64 o cassou por corrupção, um ano depois da posse, em ato publicado no Diário Oficial de 14/04/64.

Depois de recuperar seus direitos políticos (suspensos por 10 anos), Múcio decidiu eleger-se por Rondônia, estado no qual jamais havia colocado os pés. Montou esquema vitorioso para a compra do mandato e se deu bem.

Na Câmara dos Deputados, se alguém de Rondônia comparecesse a seu gabinete, solicitando qualquer tipo de ajuda, recebia a seguinte explicação:

"-Eu não ajudo ninguém, pois não devo nada a ninguém. Paguei caro por cada um dos votos que recebi e cumpri o acordo que fiz".

Nunca mais colocou os pés naquele estado, sendo proprietário de jornal em Brasília (DF), o qual diariamente publicava sua foto na primeira página com manchete que ele mesmo escrevia. Era sempre citado como "O Homem do Chapéu".

FOLCLORE POLITICO DE RONDONIA

No ano de 1988, o radialista e jornalista Dalton Di Franco, então dono da maior audiência do rádio em Porto Velho, foi eleito vereador pela legenda do Partido Municipalista Brasileiro com 1.043 votos - a segunda maior votação foi obtida pela já vereador Marlene Gorayeb, que teve 1.067 votos.

Na primeira foto, o "santinho" que Dalton Di Franco usou para divulgar seu número. Na época era usada cédula de papel para votação. Não havia ainda urna eletrônica. A apuração durava dias.

domingo, 15 de abril de 2012

FOLCLORE POLITICO DE RONDONIA

FOLCLORE POLÍTICO DE RONDÔNIA

Homenagem ao Ex-Verador David de Sá, na Legislatura no Final da década de 80, Davi Sá ainda reside no Bairro Nova Porto Velho.


█ No auge da campanha política de 1990, o comitê político do então candidato a Deputado Federal Maurício Calixto se assemelhava a um formigueiro, com tantos candidatos, cabos eleitorais e eleitores que entravam e saiam, a toda hora, por todos os lados, mais parecendo com a Casa de Irene ou a de Mãe Joana.

Neste vai e vem de candidatos, de colaboradores e de eleitores, os candidatos a Deputado Estadual David Sá (Porto Velho) e Ozézio Florêncio (Cerejeiras), velhos amigos políticos, de muitas campanhas e de várias derrotas, se consideravam eleitos e até faziam planos e projetos para comporem seus gabinetes.

- O meu gabinete não vai ter portas, afirmou David Sá.

- É, realmente é uma boa saída. Também você não vai ter gabinete, acrescentou Onézio. Ah! AH! AH! AH!

- Ora, não!!! Eu já estou eleito, rapaz.

- Esta sua história, David, eu escuto há muito tempo, de outros carnavais.

- É, mas agora não tem boca. Eu vou ser muito bem votado. Aguarde!

Terminadas as apurações e divulgados os resultados, os dois derrotados se encontraram, se abraçaram e derramaram suas lamentações, entre sorrisos e lágrimas, num mar de desculpas.

- Eu não ganhei a eleição porque me faltou dinheiro. Disse David Sá.

- Eu só perdi a eleição porque me faltou votos, finalizou Onézio.

E caíram em gargalhadas, com risos carregados e tímidos, prejudicados com os reflexos de tantas derrotas acumuladas.

sexta-feira, 13 de abril de 2012

CULTURAS E KULTURAS

CULTURAS E KULTURAS


Há muito tempo vem se discutindo a questão da valorização cultural dos povos e a sociedade ainda tem dificuldade em definir ou encontrar um termo que a defina.
Em terras tupiniquins alguns séculos atrás, pesquisadores de outros países chegavam a conclusão em um relatório enviado a seus países, que investiam em pesquisa na Amazônia (na verdade o interesse era outro), que o atraso socioeconômico destas localidades  em meio a floresta, devia-se a preguiça e a indolência de seus moradores.
Não é de estranhar comentários de pessoas filhos de nossa terra, que ainda utilizam destes argumentos para justificar o “atraso” ou a falta de qualificação profissional ou educacional de pessoas nascidas por estes confins.
Na verdade, sempre fez parte dos “costumes” do brasileiro valorizar ou supervalorizar o que é ou vem de “fora”. Para muitos, SANTO DE CASA NÃO FAZ MILAGRES, e assim a empregabilidade em cargos e funções de primeiro escalão sempre ficam pra quem tá chegando por aqui.
Não é difícil procurar e mostrar exemplos para comprovar essa “valorização” seja dos profissionais, dos diplomas, das músicas e até mesmo das pessoas. Para as massas tupiniquins, mulheres bonitas são as sulistas ou dos grandes centros do país.
Não é de estranhar que o Futebol por aqui ainda não foi pro beleleu por conta de meia dúzia de desportistas apaixonados pelo esporte. E isso se repete com nossas atrações artísticas e culturais como é o caso do nosso Festival Folclórico & Danças de Boi, que se arrastam ano a ano sem o apoio devido do Estado, sobrevivendo e lutando para entrarem na “arena” através de promoções de bingos, churrascos e feijoadas que se desenrolam durante quase todos os anos.
Precisamos de Políticas Públicas (mas, que saiam do papel, saiam dos gabinetes) e dê condições mínimas de sustentabilidade aos nossos grupos folclóricos, escolas de samba, agremiações futebolísticas, atletas, cantores regionais e escritores.
Poderíamos passar horas escrevendo sobre essa perda de identidade regional, e a  continua invasão de funkeiros, cantores de axé music, pagodeiros, sertaneijos e ainda assim não conseguiríamos definir um stilo próprio aos moradores da terrinha querida.
Com isso perdemos a cada dia a oportunidade de entrar no rol de grandes cidades brasileiras que investem no Turismo, por exemplo, com a valorização do Centenário da Madeira Mamoré seria um prato cheio pra atrair turistas para nossa região, para assistir as apresentações de nossos bois bumbas e quadrilhas fantásticas que temos por aqui.
Vai entender... cada um tem sua kultura!!!!

.