Tratar Presos com mais rigor?

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

POLITICA NO BRASIL: É O FIM DO MUNDO - caba sim mundão!!!!!!

 
Nunca no Brasil se falou tão abertamente em CORRUPÇÃO ou na esperança de ver na cadeia os meliantes corruptores e corruptíveis presos de verdade. E as classes mais favorecidas sempre tiveram nesse país a chamada prisão domiciliar, que parafraseando o BORIS: é uma vergonha!!!!!!!!
Nesses 10 anos de governo petista o país teve um desenvolvimento espetacular na área social e economica, mas, politicamente nunca se desviou tanto dinheiro público. O enriquecimento de alguns politicos da noite pro dia é espetacular.
E isso não mudará tão cedo se não forem feitas leis que coloque o politico safado e ladrão na cadeia. Vimos pela tv os DEPUTADOS idignados com o STF pela aprovação da cassação dos politicos envolvidos no MENSALÃO, eles não aceitam a inteferência de outros PODERES no Legislativo.
ISSO É UMA PIADA!!!!!
Parabéns aos Ministros do STJ pela coragem de fazer o que a maioria dos DEPUTADOS no Congresso não tem!!!!!!     Poucas vezes, se é que alguma vez nos quase 123 anos de história da República, o Supremo Tribunal Federal esteve tão no centro das atenções nacionais como nesse período em que, a partir do dia 2 passado, começou a julgar o processo do mensalão.
 
O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Ayres Britto, acompanhou integralmente o voto do ministro-relator, Joaquim Barbosa, no julgamento da Ação Penal 470, conhecido como processo mensalão. Com a sustentação de Ayres Britto, o plenário concluiu a votação do Item 3 da denúncia, que tratou da acusação de desvio de dinheiro público.
“Eu concluo que as provas confirmam a trama delitiva para um esquema de desvio [de dinheiro] público […]. O MP [Ministério Público Federal] conseguiu desempenhar a contento o seu ônus de provar, em juízo, as imputações feitas aos réus desta ação penal.
 
Durante a votação, o presidente do STJ comparou o esquema de desvio de dinheiro público com o patrimonialismo descrito pelo padre Antônio Vieira no Sermão do Bom Ladrão, citando o trecho: “Esse avanço no patrimônio público e o fazer do patrimônio um prolongamento da casa, da copa, da cozinha”.”Tudo isso é coisa antiga neste Brasil”, complementou Ayres Britto.
Ele também citou a frase do ministro Cezar Peluso que, ontem, ao votar, disse que a condenação tem “gosto amargo”. Ayres Britto concordou e completou: “[condenação] Tem gosto de jiló”.